...

Palavras despejadas, as vezes sem o menor nexo aparente, com um sentido um tanto ausente.Um blog de uma pessoa romântica, mas um tanto fria, de uma pessoa sedenta da sua companhia.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Clocks


Você é , você é , lar , lar , lá pra onde eu queria ir

 Tocava a música que ela estava a ouvir e ela pensava em tudo , pensava no nada, no inicio no meio e no fim, porque tinha que haver um fim ?
Ela queria concertar as coisas que haviam se quebrado, queria jogar no lixo uma parte das coisas amontoadas, queria ser feliz e mais nada.

Quando pequena corria sem direção, por vezes só para senti o vento no rosto, amava tudo inclusive o nada, viu tudo desmoronar em casa e achou uma promessa de um elo forte, queria firmar-se , queria que as coisas não desmoronassem mais, queria fortalezas, não tinha ideia de como faria isso, tentou, se entregou, não totalmente por está presa em suas más atitudes, menina má, sua sombra ainda lhe acompanha sedenta por um erro seu , pronta para atacar. Teve a oportunidade de se redimir com o passado e simplesmente desperdiçou assim como desperdiçou tantas outras oportunidades em outros sentidos, sua vida seria então um enorme desperdício? Pensava nisso, queria fumar, queria beber, queria sumir , até morrer, mas só restava mesmo o querer.
Logo ela que sempre quis a liberdade queria se prender, tentou se prender, tentou viver com outra pessoa, mas não deu, talvez porque ela não tenha nascido para isso,porém ela não acredita em destino em ideias de teocentrismo, ela sabe que pode agir que um simples gesto pode mudar todo o curso da humanidade, mas agora ela só queria ficar sem dor... Todas expectativas foram por água a baixo e toda a vontade de se prender passou, mas também não queria ser livre e só.

 "Do que adianta mesmo ser livre, se tanta gente vive sem ter o que comer?"

Se questionou sobre a liberdade e dentro de si, descobriu: Liberdade não é sinônimo de solidão.
Podemos ser livres juntos, podemos nos unir e continuarmos livres, tudo é uma questão de como isso é imposto, de como é priorizado, confiar nunca é um erro, quem comente o erro não é quem confia e sim quem desaponta, quem desaponta por sua vez teve lá seus motivos , falta de interesse também é motivo.
 Ninguém está totalmente errado nem totalmente certo.

Ela vive buscando o seu equilíbrio, querendo a paz, querendo ser um ser humano evoluído,mas  se ela fosse um anjo seria um decaído.
Orgulhosa desde de pequena, mesmo não parecendo , mesmo sabendo perdoar ela vive sendo espelho dos outros e refletindo algumas coisas ruins de volta, se alguém se afasta dela em resposta ela some da pessoa, morre por dentro se gostar, mas mesmo falando tanto há um certo deficit em falar e as vezes diz tanta coisa quando não tem nada a dizer... Defeito esse de ser reflexo tenta deixar de lado isso e o orgulho, pois são coisas que não fazem parte da evolução.


Se antes ela corria para senti o vento, começou a correr para fugir, mas não vai rejeitar companhia e vai querer ser melhor a cada dia.




quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Devagarinho

Devagar ? o que é mesmo isso? 

Uma pessoa acelerada e desnorteada como eu, não sabe muito o que significa essa palavra, nem algumas frases do tipo: "vamos com calma", "espera" , "respira ".

Mas aqui nesse meu mundo bloguístico eu estou quase parando... enfim,vou descarregar aqui,pensamentos doidos da madrugada :

A vida ela é uma caixinha de surpresas! Não me canso de dizer isso, a cada dia que passa acontecem coisas diferentes: dores, amores, paixões, chutes, planos desplanejados, basta sair, viver, respirar se permitir . 
Uma das coisas mais legais  da vida é  se permitir  conhecer novas pessoas, foi me permitindo assim desse jeito que eu conheci várias pessoas diferentes e tomei a liberdade de roubar um pouquinho de cada uma, para poder me construir melhor, analisando que cada amigo doido que eu tenho , tem qualidades inestimáveis e que  o universo nunca me deixa desamparada de amigos isso é muito bom...
Odeio gente que reclama de mais e se acomoda a isso, que não vê solução, que eu saiba comprovado mesmo só temos uma vida, vamos passar essa única vida reclamando da dores do mundo?
O bom da vida é se apaixonar é se entregar, é gostar , é sentir, é correr riscos, é arriscar, é parar, é andar, é respirar fazendo o novo, o diferente e o mesmo, é criar , é se recriar é sofrer para ser feliz, é ser feliz sem medo de sofrer. e se atirar sem paraquedas é cair e ficar no chão até a hora de se levantar e voar novamente...

Cedo eu aprendi que tudo de ruim que nos acontece nos deixa forte, nos deixa esperto, nos faz aprender, mas ao contrário do que muitos pensam , não é para aprender a fazer o que foi feito de ruim com você, acho que o importante é aprender a não cometer  com os outros aquilo que você não admitia que fizessem com você, é importante saber que não podemos mudar por pessoas ruins, ou pessoas boas que de repente foi ruim para nós.
Não vamos nos perder por aí, depois é capaz da gente se olhar no espelho e não se reconhecer.
Nem todo mundo é igual, por mais parecido que seja, viva, sinta, chore , ria, ria sempre, exercite os músculos faciais para que eles não empedrem  . Não seja mais um na multidão, não seja um copo meio cheio e meio vazio... Não desista de tentar , é errando que se aprende a errar até acertar.

sábado, 6 de julho de 2013

A devoradora de ócio

A devoradora de ócio anda passando fome, não encontra mais seu alimento predileto, não há o que devorar... 
A devoradora de ócio de predadora virou presa, presa ao tempo que passa e a deixa sem graça, sem animo, sem tempo de ir refleti no banco daquela velha praça, presa nas dores que acometem  seus nervos, presa nas obrigações que é ser gente grande, presa em seus sentimentos que são um emaranhado de emoções.
Tick tack, hoje em dia tudo gira em torno de um relógio, até a hora de ir no banheiro é programada, comer só 20 minutos, em casa tenta fazer tudo de vez  porque nada fez.
O tempo corre macio , mas demora até isso acontecer, primeiro ele vai correndo devastadoramente passando e engolindo a gente,quando vemos já estamos na barriga desse tempo, que as vezes nunca nos vomitará.
Todo mundo muda sempre, só não muda quem já morreu, a vida mesmo muda e o tempo continua correndo, nunca devagar nem quando você pensa que ele parado estar, escravos do tempo, porque quando ele parece não passar e o tédio aparece você se esmorece,  e quando ele corre naqueles bons momentos você se entristece. 


                             A devoradora de ócio que antes reclamava por não ter o que fazer com tanto ócio, hoje estar a passar fome, ser humano inconstante que não decide o que quer, tipico. Saudade do ócio, mas sei que se ele estivesse aqui ela mandaria ele pastar.

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Momento nulo

Gostar eu gosto, saudade eu sinto, escrever é bom. 


Talvez não eu não seja boa escritora e blog seja coisa démodé, mas acho legal, ilegal é ficar sem ideias, sem inspiração sentada com a caneta na mão no canto de um quarto escuro, perdida e várias direções a segui e você lá inerte  sem saber  a onde ir, por onde começar.

" Céu é só uma promessa eu tenho pressa , vamos nessa direção"

                     Qual é essa direção?              O que fazer?              
                                                                                  
                                  Desconfigurado sentimento,                          Sem direção,

                                               Sem lenço                        ou                                      documento....

Mesmo que não haja para  onde retornar  ou até mesmo que você tenha esse lugar, o importante é não parar, seguir em frente sem pestanejar pestanejar, viver em pause pode ser um grande problema.


...."Tudo bem , até pode ser que os dragões sejam moinhos de vento, muito prazer ao seu dispor, se for por amor as causas perdidas..."




quarta-feira, 10 de abril de 2013

Daria um livro, mas vou apenas escrever alguns textos. Parte II ... "FIM"

Fim entre aspas, porque não é nem de longe o resumo de 2012, nem continuação mais devido a demora a falta de tempo, de ociosa eu não tenho mais nada de devoradora muito menos, hoje em dia o tempo me devora e me vomita , quando saio do estômago do tempo não sou ninguém ,ninguém importante para ninguém sentir saudade, ninguém tão chato para alguém querer odiar e outras coisas mais...

O resumo do meu 2012 foi um ano de decepções.... Encontro das almas sujas ( não todas, please! não é pra ir no meu inbox do face falando que não foi fals@ comigo e que sempre isso ou nunca aquilo to fazendo um apanhando geral, claro que conheci pessoas fantásticas nesse ano também e tive boas experiências) O fato é que as ruins se sobressaíram. Fui vitima de um  esquema de um falso amigo em especial que me fez acreditar na sua mais profunda  bondade e pureza para com a minha pessoa, na honestidade de uma amizade que nunca existiu, hoje em dia falar disso não faz sentido, porque quando tiro uma pessoa da minha vida, ela perde o sentido , forma, cor.... Porém acho que não podia começar a contar a nova etapa a outra história o próximo ano que é  o vigente  sem comentar ao menos, que eu cair na lábia de um cara sem amigos e incompreendido que precisava de alguém para escutar-lo, apresentei-o a maioria dos meus amigos de verdade  e tentei fazer-lo se sentir bem nesse mundo o qual jurava ser injustiçado...

O "injustiçado" que injustiçou, difamou e agrediu até o silêncio se pousando de santo, como sempre ainda saiu de boa na história, já que, quem ele queria que acreditasse nele, acreditou... de amigos assim eu não preciso, antes só do que mal acompanhada é um fato, uma realidade e não apenas um clichê.

Enfim cheguei aqui e ja perdi o animo de continuar espero um dia ter paciência para formular uma postagem, ou um livro... Porque esse 2012 foi dramático e não foi pouco. Inspirador, mas graças a Deus acabou, terminou, se findou....
  

                                 - CHEGA DE MÁSCARAS!

sábado, 5 de janeiro de 2013

Daria um livro, mas vou apenas escrever alguns textos. Parte I

O mundo caia cor de cinza preto escuro na minha cabeça, a vida aqui andava embaralhada sentimentos sempre afogados no álcool.  Tudo sem cor, degradê de cores mortas  ao meu redor...
 Eu legal , bonita e deprimida, cansada desses tons de cinza, preto ou qualquer cor que nem existe de tão opaca que é.
De repente comecei a deixar os sons tomarem conta de  mim e misturas de cores de todos os tipos apareceram na minha vida, parei de ficar em casa ouvindo música e me lamentando na frente do pc, conheci várias pessoas, algumas delas chegaram perto de mim, deixei. Nenhuma me prendeu.  Não conseguia me prender a nenhuma delas, tinha acabado de levar um pé na bunda, não queria deixar o meu popó roxo novamente. O que só fez meu mundo escuro ficar sem brilho algum, o que só aumentou a minha solidão.
 A vida já estava um caos e esse pseudo relacionamento era minha válvula de escape, me apaguei tanto a isso que acreditei que era amor de verdade, mas em um mundo caótico, cheios de zumbis, qualquer pessoa que apareça querendo te ajudar você acha que é o oásis no seu deserto interior.
Descrente , incrédula, amarga , mal amada.
Trabalhava de domingo a domingo e saia quase todas as noites nos finais de semanas, criou um laço forte com Natasha e Orloff, mesmo antes de levar o pé na bunda já andava deprimida. 
Tinha um amigo (pensava que tinha) a gente bebia junto, e eu desabafava com ele as minhas lamurias, ele parecia sempre me entender, dizia o que eu precisava ouvi nas horas ruins, considerava ele um amigão, apesar do pouco tempo que nos conhecíamos, tínhamos um projeto de banda, a música me amenizava.
2012, dois mil e doze, 2   0   1   2  dois, zero, um e dois... Esse ano começou estranho, quando 2011 acabou e eu tava lá na praia  abraçada com minha garrafa de Orloff, ouvindo Pink gritar no meio do mar, senti uma tristeza descomunal em relação a minha miragem (oásis) cai em mim, sabia que eu andava fantasiando coisas de mais. 
Em maio de 2012 decidi sair de casa, depois de uma proposta de emprego, fui morar  só com um amigo em   Salvador. Ainda lutava para tentar compreender as coisas que aconteciam ao meu redor. 
Sai de casa um mês antes de completar 22 anos, fui tentar andar com minhas próprias pernas, queria o equilíbrio, estava sofrendo por um amor que nunca existiu... Amor não era, aquilo era outra coisa.
Preferi criar uma meta, deixei Natasha e Orloff um pouco de lado, não aguentava mais os pedaços do céu despencando na minha cabeça.

 22 anos, com pessoas estranhas, diferentes  e egoístas.

È claro que nem todas, quase todas do meu convívio eram sim, assim ruins, por mais que boas,  enfim eu me sentia só. 
Já tinha superado o meu falso oásis, estava em um outro relacionamento, suave e legal com a unica pessoa desse meu convívio que mais tarde se mostrou ser a mesma pessoa que eu conheci , porque o resto dos meus pseudos amigos, só me apunhalaram pelas costas, frente e lado.
Meu aniversário de dois patinhos na lagoa  foi nostálgico e deprimente, a intenção foi boa de me fazerem uma festa surpresa, (a primeira na minha vida) mas eu passei o dia 11 todo trabalhando, cheguei em casa tarde , tomei banho de chuva, cabeça doeu forte sem contar que as pessoas que organizaram essa festa mais tarde se mostraram não serem tão meus amigos assim como pensei.

Morei 3/5 em Salvador, até me sacanearem, minha patroa, mãe desse meu amigo que eu morava, acabou acreditando que a escravidão tinha voltado, trabalho sem remuneração.. Aê \o/

Foi aí que sai da capital da Bahia cidade linda e maravilhosa, voltei pra casa, passei três dias aqui, voltava a andar deprimida e descrente e acabei por fazer umas bobagens que arruinou o meu relacionamento.
Mais uma vez decidi viajar para espairecer ia passar só um final de semana na praia e acabei por morar em uma ilha. Outra etapa da minha vida iniciou-se.... 

Não tenho idade para ter vontade de me acomodar....