...

Palavras despejadas, as vezes sem o menor nexo aparente, com um sentido um tanto ausente.Um blog de uma pessoa romântica, mas um tanto fria, de uma pessoa sedenta da sua companhia.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Sábado, Domingo..... Sexta!

Olá... Depois de tantas coisas, tantas brigas e intrigas... Eu me encontro novamente com eles, os meus encostos. Amigos de longas datas, não são mais amigos, né pessoal?
Sábado, já estava no meio da micareta aqui na minha linda cidade, eu não fui, apesar dos inúmeros convites, estava na expectativa de uma viagem, e mesmo que não viajasse, queria um momento meu, passei esses últimos meses em um estresse FDP. 
No sábado houve uma festa na casa de uma outra amiga, onde a galera alternativa amistosa, se reuniram para beber, eu preferi curti a minha solidão noturna. Foi o que fiz, não tinha dormido direito na sexta, na verdade não havia dormido nada, nem torto. Só consegui pregar o olho se é que tem como pregar o olho  quando o sol nasceu, ai foi pior.. Dormi pouquíssimo. O dia foi até proveitoso já que eu e minha irmã arrumamos nosso quarto juntas na verdade ela me ajudou a arrumar o meu.  De noite eu fiquei assistindo filme e moscando na net, quando recebi uma ligação de uma amiga Simone ela estaria vindo dormi aqui com a namorada e Elson. Tranquilo, mas eu não queria minha paz abalada, nem meu quarto bagunçado, estava em um período onde o mundo todo desandava, e os pedaços de céu caiam em minha cabeça.  Ninguém precisa receber patadas por causa de um mal dia meu. Por causa dos meus maus momentos, porém foi inevitável.
Sábado dormimos aqui, eu trancada no meu quarto, algumas vezes no celular, e eles zuando na sala.  Eu algumas vezes saia, depois de algumas brincadeiras sem graça me estressei, chegou o domingo eu que já não tinha paciência, então piorou... Certas pessoas se sentiram em um hotel,  sei lá eu estava com preguiça e com sono , nada hospitaleira, avisei, tinha avisado desde de antes, estava em um mau dia. Me deixem quieta.
Não deixaram fui cavala de mais, foram embora só restou Elson. Na verdade não sei porque estou detalhando essa discussão, acho que foi por ter sido a mais recente. Me senti tão só na segunda feira, ainda mais depois que o Elson disse que só voltaria a falar comigo ou com a Simone depois que ambas estivessem verdadeiramente se falando. E eu com meu jeito idiota de ignorar as coisas, e as pessoas que quero. Acatei a decisão de Simone, se afastar de mim. Mas mano, é amizade de longa data. É aquela coisa chata que você já não vive sem.
Os dois. Anosss de amizadeee... Os três. Ninguém sabe o que é pink sem elson sem jaci. Eles não existem.

Diante de tudo de repente um vácuo, um silêncio. Me sentia incompleta, diante de um quase abri mão de pessoas erradas, errantes e muito importantes na minha vida.
Me sentido vazia de maneira extremamente triste. Comecei a pensar que de fato o mal dessa vez poderia ser irremediável. Não expulsei com palavras, mas disse com jeito que não as queria aqui, foram embora me restou ele, o Elson que mais tarde pela net disse que não falaria mais comigo até a situação ter um jeito, um bom jeito. Onde todos voltassem as boas.  

Nunca senti-me tão sozinha. E de uma hora para outra, todos me cobravam atenção, e me cobravam... E me julgavam, me repreendia por atitudes infames, nada vinculada com eles, (meus amigos). Eu outra ser errante e errada que ando pairando por esse mundo sem sentido....
E no meio de minha aceitação onde eu tinha decidido ficar na minha, fui surpreendida com um post, que só quem fez, Elson eu e a Simone, poderíamos vê. E nesse post, eu vi o quanto eramos importante para ele, o quanto é importante para todos nós ficarmos sempre bem conosco, o quanto já brigamos, e então eu comentei primeiro dando meu braço a torcer... e logo depois Simone também comentou, mas de repente morreu ali, e tudo voltou a ser vago, pelo menos dentro de mim, e o medo de que as coisas não voltassem a ser como antes, chegou até aqui. 
Foi então que hoje, sexta-feira .... Eu aqui sem roupa, na net, moscando e de cara inchada de sono, ouço a campainha tocar, sai praguejando, e quando atendi era Kátia, quando eu fechei o portão ela disse: "tem mais alguém aí" de repente vi a Simone que me acolheu em seus braços de uma maneira nunca ocorrida antes, me dizendo coisas que só a gente sabe. Do jeito ogro nosso, nos amando como amigos tem que ser, porque sabemos que erramos, que somos idiotas, e quando a barra pesa, só nos resta a nos, nós. Quem mais? Quantas dores sofridas juntos, quantas alegrias... Somos três amigos de personalidade distintas, porém algo nos une, talvez como disse o Elson, somos todos uns cavalos.
E daqui fomos em Elson, nos redimi a ele e agradecer do nosso jeito. Porque agora somos um mal irremediável, juntos, mesmo que o destino trace caminhos diferentes para gente, independente de pessoas fazendo intrigas, namoros, e da maldita distancia NOS não nos distanciaremos NUNCA. Porque onde há amor, a porra lombra.  Isso é sincero e real, pude sentir mais uma vez hoje, posso dizer aqui, sem medo algum, que eu realmente amo vocês.Obrigada por me atura todos esses anos, sei que são gratos também por eu aturar vocês. Sem vocês dois não há Jaci, nem mile. Não existe Jacimile.  ♥
A gente tem nosso espaço momento de solidão, ou as vezes tentamos ter. Sumimos e aparecemos, e no fundo não vivemos sós.

Ainda vamos brigar muito, e nos amar mais ainda. Essa é a lição que fica, viu Elson? A gente aprende as cosias também na vida real. 

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Um desabafo abafado, um amor. Um laço remendado. Títulos são uma merda.

Hmmm.... domingo, eu tento te vê, cansei de conversar por cá, não parece legal. As emoções quando a gente conversa por meio de diálogos escritos, raramente são as reais, geralmente,quase sempre são as emoções de quem estar lendo, e não as de quem estar escrevendo, como deveria ser.
 Ontem você me ligou, eu já estava deitada naquela hora, e no celular. Cabeça doia um pouco. Entendo que eu tenha sido fria, entendo que é realmente chato,tudo isso que está acontecendo entre nós.E eu realmente gosto de você. Você, minha prima, confidente... vira para mim e diz ontem, que eu e só estou colhendo o que eu plantei. Legal... Eu sempre soube disso. Legal mesmo ouvi isso do jeito que eu estava... não é drama. Mas é que talvez eu esteja evitando certos tipos de conversas, porque eu sei, ou tenho ideia basicamente de como as coisas vão ser na conversa, acho que estava realmente fugindo dos meu problemas... Mas já que eles não fogem de mim, preciso enfrentar-los , né? 
Durante anos, eu passei me culpando por tudo de ruim que esteve acontecendo aqui...
 Durante anos, eu apenas me culpei, nunca culpei nem meu pai, por nada... Você deveria saber disso, já que quando a gente conversava por mais que eu estivesse com raiva eu não jogava a culpa nele sobre os meu fracassos, sempre disse que sabia que eu tinha vacilado muito, que queria mudar, claro que as vezes só falava e não mudava. Porque não é tão facil fazer quanto é falar. 
Mas sabe de uma, estive pensando que não plantei tanta coisa assim, mas também não me importa mais...
E outra, acho que você não tem a menor noção de como é se sentir sozinha, mesmo cercada de pessoas, me sinto fracamente, sem familia. Não me sinto mais confortavel como antes para desabafar tudo aqui, porque receio talvez ser interpretada mal, talvez você fique achando que é drama, também porque não é muito de mim ficar falando tudo sobre mim.... 
Não quero ser julgada de novo sabe? é ruim.... Porque na verdade só eu sei como estou.
 Esses ultimos 4 meses então... foram simplesmente dificil me manter viva. Pode pensar que é drama, não to falando só sobre o aspecto de que meu pai não tá nem aí. Não to falando só no apecto familiar. To falando que esses 4 meses foram barra para mim em todos os outros aspectos, Trabalho, familia, casa, curso,coração.TUDO de uma vez só. É realmente dificil me manter por perto, com tantos conflitos....
Acho que não sei mesmo lidar com isso. E também não quero parecer que ando chorando miseria, Mas estive tão mal esses dias, abalada emocionalmente mesmo. De um jeito que jamais estive. Saudades, até bateu, de sofrer só por amor.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Qualquer coisa

Sentei aqui e decidi escrever qualquer coisa, qualquer ideia que me passasse pela cabeça. Eu para começar nunca me entendi, acho que não vou começar me entendendo agora, eu to morrendo de calor e o que eu to fazendo? Tomando uma xícara de café quente, pior que é exatamente isso mesmo que estou fazendo. 
Sobre meus pensamentos e sobre as coisas que passam pela minha cabeça, é tudo muito confuso, no momento eu só quero sair daqui. Me sinto muitooo presa aqui e quero me libertar , agoraaa....

As pessoas são complicadas e eu aprendi da pior maneira possível a não confiar nelas, muitas coisas que se dizem são apenas da boca pra fora. Não vai vingar. E você depois começa a se sentir bocó de mais, por acreditar. Foi lá minha infância remota que eu aprendi que  tudo não eram só flores, comecei a enxergar os espinhos, em uma promessa não cumprida, em atos de egoismo, vê aquele ser que eu idolatrava, meu pseudo deus se transformar em meu maior carrasco não foi nada fácil. Sabe, minha primeira postagem desse blog fala sobre ele, fala em poucas palavras em como eu fui me afastando dele, de como eu lutava para ser reconhecida por ele. Um monstro, um demônio, um ser ruim, que foi embora e me deixou aqui, me largou, não me liga, nunca me ligou, nunca disse palavras bonitas, até quando estava sofrendo eu fui lá, por você. Não fui por merda de avó nenhuma, que nunca lembrou da minha existência, fui por meu pai, que tinha perdido a sua mãe. Fui pra dá meu ombro, e meu abraço, coisas que depois de tanto tempo a gente nem sabia mais o que era, fui pra dizer que amava ele, e disse. Fui pra tentar dividir o peso que ele estava carregando, fui pra pegar um pouco da sua dor para mim, fui para tentar ser uma filha solidária, mesmo ele nunca tendo sido um pai, nem solidário nem nada.
Tantas vezes tentei falar com ele e só ouvia um "não quero saber da tua vida" , "isso não me interessa"... Quando meu rendimento escolar foi decaindo , ele sabia chegar direitinho em mim e  me humilhar, me chamar de burra... Quando ele brigava com minha mãe e saia para casa da minha vó me levava com ele e sabia ficar falando mal de minha mãe para mim, sempre... Sempre soube me dá as melhores surras e quebrar minhas melhores coisas, inclusive meu violão. Sempre tentou me privar de viver, e sempre soube me dizer as palavras que toda filha quer ouvi " vou te matar se você não sair da minha frente agora"... " sua voz é insuportável" ..... Eu não tive culpa de nenhum mal casamento, eu sempre me sentir tão sozinha aqui. Ele decidiu sair de casa e foi uma das melhores coisas que  me aconteceu nesses últimos anos, sabe a sensação de alivio? foi o que eu sentir.  Mas também não posso negar que a sensação de que tudo estava desmoronando ficou, aqui pertinho. Quando ele saiu de casa, ele me esqueceu de vez. Não é que eu queria ser lembrada , é que sei lá, ele é meu genitor, me colocou no mundo e depois simplesmente virou as costas para mim, de vez. Já tem quase 2 anos que ele saiu, e tu acha que nesses 24 meses ele veio aqui alguma vez me visitar ? Nem no dia 11 de junho, nem no natal, nem na pascoa, nem em data nenhuma. E as poucas vezes que ele passou por aqui me fez querer ficar mais distante dele, ele vinha como furacão, ventania, infernizar a vida da gente, brigar com minha mãe e falar merda. Nem sair ele soube, eu paro e me pergunto , "hey man que merda de homem é você?" , antes eu tinha uma vontade de conversar com ele, saber o que aflige ele a tal ponto, o que faz ele ser assim tão hostil, só conversar para poder tomar um pouco dos problemas dele para mm, conversar sem julgar, afinal sou tão boa amiga de todos, porque não dele? mas como é difícil chegar até ele, mesmo assim decidir me preocupar, ligar para ele, até a ultima vinda dele aqui, onde ele fez questão de machucar minha mãe. Minha querida mãe. Que por mais que eu me revolte, que ela se revolte , sempre tá comigo, por mais que não seja daquelas mães afetivas em demostrações corporais, com carinhos e dengos, é a mãe para todas as horas, até para as horas inexistentes. Ela que sabendo de todos meus defeitos, os meus piores defeitos, fica do meu lado sempre. Imagine so a merda do meu genitor não sabe nada de minha vida, nem que sou lésbica e já me trata assim, imagine só se um dia ele descobrisse, se ele me rejeita tanto porque não sou nenhuma especie de filha exemplar que ele pode mostrar aos amigos, imagine se ele descobre que sou pior do que ele pensa. Isso não é pai, o nome disso é outra coisa.

Desde então... 
Entre tantos pensamentos confusos na minha mente, não sei porque hoje resolvi falar sobre isso.  È meio revoltante, poderia culpar ele por tudo  que deu errado para mim, mas não, eu sei que a culpa é toda minha, isso é só um desabafo. E também , eu não sei que diabo família quer dizer, assim de família tenho minha mãe, só. Pelo menos de sangue, é ela mesmo que é minha família, o resto da minha família escolhi com o tempo, são alguns raros e poucos amigos que aturam meus pittís, que eu aturo os deles, e que vivemos feliz, nessa inconstância que é a vida. 
O resto é hipocrisia e eu odeioo ODEIO, datas comemorativas, talvez por não ter uma família, por não ter o que comemorar, nem com quem passar. Não que isso esteja errado.. Problema meu que nasci gauche nessa vida...
Eu tirava boas notas , ganhei um violão aprendir minha primeira musica sozinha no meu quarto vc nunca me elogiou ... Eu não lutei para ser reconhecida logo me dei por vencida ouvir somente palavras duras vindo de vc... mas nunca guardei odio...


 Isso foi da minha primeira postagem, porque acho que sinto odio dele hoje em dia, talvez agora menos, meu coração é muito vadio, queria ser mais dura e cruel.


terça-feira, 3 de abril de 2012

Toda vez que eu escuto...

Toda vez que eu escuto chasing cars de snow patrol, eu fico com vontade de deitar no chão, na cama ou  em qualquer lugar, com meu cigarro pela metade na boca, soltando fumaça, eu fecho os olhos, aperto bem apertados, e penso se você seria capaz de vim  e deitar comigo, só deitar e segurar na minha mão, voltar aqui onde você nunca esteve e  me trazer de volta a paz que roubou do meu coração...
Toda vez que eu escutava chasing cars de snow patrol, eu tinha vontade de deitar no chão sozinha e esperar por qualquer companhia, já tive vontade até de me jogar da ponte da cidade de cachoeira, só de lembrar da musica e isso atenuar minha solidão... Mas depois que eu te conheci , toda vez que eu escuto chasing cars de snow patrol, a minha solidão não anda mais sozinha... Eu queria não pensar, mas toda fez que eu escuto snow patrol e sua chasing cars, não sei porque eu penso se  você não quer voltar aqui, aqui onde você nunca veio, mas sempre esteve, e ficar... Aqui ou em qualquer lugar, eu penso, toda vez que escuto, qualquer coisa principalmente chasing cars,  se você não quer dividir comigo seu mundo, suas dores, seus amores, eu penso se você não pode me amar, mas ai os últimos acordes vão sendo tocados e eu penso, que por mais que eu pense, são só pensamentos, e toda vez que eu penso em não pensar lá estão eles, vindo junto com os ventos da madrugada calorenta, vindo com as poucas chuvas que teve aqui desde que você se foi... e eu leio e releio aquela carta na redundância de um arco iris e sinto vontade de enfiar uma faca no meu coração, para uma dor anular a outra... toda vez que eu deito, levanto, me movimento, só consigo pensar que  sem você envelheci 5 anos em 2 meses, emagreci e nunca mais voltei aos meus 70kg, penso que fiz tanta coisa só tentando desesperadamente te esquecer , e lembro que nunca deixei você, nem quando você deixou minha bunda roxa, toda vez que eu olho para qualquer coisa, eu penso... repenso.. nada tem graça. sem você, nem esse blog, nem esse texto. Mas não pode ser assim, eu tenho que me amar antes de qualquer coisa e pessoa, mas vai dizer isso ao meu coração... só queria que você deitasse aqui até o final dessa canção...