...

Palavras despejadas, as vezes sem o menor nexo aparente, com um sentido um tanto ausente.Um blog de uma pessoa romântica, mas um tanto fria, de uma pessoa sedenta da sua companhia.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Descolocada


... Vai ver que de tanto fugir se perdeu...

Não adianta reclamar, ela se coloca no lugar de todos e entende como cada um reagiria e mesmo não gostando de certas atitudes, acaba por compreender e poxa que falta faz...Que falta faz ser aquela menininha que acreditava que papai Noel tinha entrando e deixado aqueles pacotes de presentes azuis, em cima da sua cama...

Sabe o sentimento que mais toma conta dela? Pois bem não sei bem descrever, mas é uma coisa como vida perdida sabe? tipo cabô filha, vc teve sua oportunidade e não era um rascunho, era a vida e é para valer, vc já fez tanta coisa, quebrou tantas outras não há conserto.
Então não há denominação, mas por vezes ela pensava que tinha jogado sua vida fora, por outras pensava que a tristeza não demora, enfim ela faz tanta coisa ao mesmo tempo só pra tentar evitar pensar em tantas outras.
Quantas vezes seu sorriso mais bonito não escondeu sua tristeza mais profunda? AHH!

Várias.


Sei lá, base , base Ácali, na verdade soda caustica ... È isso se resumia sua base.
Uma arvore sem raiz, quem quer raiz? sei lá ela queria, mas também queria flutuar por aí, ser leve e desapegada, sem receios nem temores, nem remorsos, nem rancores... Queria tanta coisa, inclusive queria não querer. Queria até fugir...

Ela fugindo sempre e sempre, caindo e levantando fugindo, novamente, inventou mil e uma maneiras para não pensar naquilo que mais a aborrecia, mil e uma maneiras de fazer tudo e fugir, queria dá atenção a todos, esquecia de si. Queria ser lembrada, notada, mas as vezes apenas queria ficar lá intocada.

Quem a entenderia, se nem ela mesmo consegue essa proeza?

Mas assim de repente um dia, um dia de sol quente, ela esbarrou com alguém que trás alegria ao seu coração confuso, complexo e relaxado, coração conturbado e nervoso que fica escondido, quase intocável disfarçado com um sorriso que ela esboça no rosto por vezes, até quando quer chorar.
Por fim ela agora se sente mais forte, mas ainda não destemida, teme as reviravoltas da vida, mas decidiu não se incomodar muito, vive a ansiar por um novo encontro em cada despedida.


Bom, ela realmente queria não se importar, mas se importa, parece que vai se importando sempre, tem vontade de parar, e ninguém realmente a entende. Parece que ela leva o mundo nas costas, mas nao se sabe ao certo quem leva quem, sometime parece que o mundo a leva e só.

Sempre querendo ser diferente, sendo igual... Sem nem mais saber o que está escrever, linha por linha... Pensando que apesar de toda escuridão há uma luz, não tão no final, uma luz que indica o inicio, o inicio que indica você.


"Quem o vê voar não o vê deprimido quando ele está derrotado sob as cobertas, se ele revelar o quanto é sensivel o que é que os outros vão dizer?"