...

Palavras despejadas, as vezes sem o menor nexo aparente, com um sentido um tanto ausente.Um blog de uma pessoa romântica, mas um tanto fria, de uma pessoa sedenta da sua companhia.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

"Sometimes I feel like I am failing and I am flailing to hold onto anything I can grasp. "


Tanta coisa na minha vida, tantas pessoas! Paradasnaesquina Como diz na música encontros e despedidas, tem gente que chega para ficar e tem gente que vai para nunca mais...

Enfim,vou tentar explicar aqui como estou me sentindo esses dias. Aposto que já assistiram efeito borboleta e notaram a metáfora do filme, como um simples ato pode modificar todo o roteiro de uma vida, eu sou basicamente assim, não sei se é por ser geminiana, ou o que...
A borboleta é até um dos "representantes" de tal signo, mas o caso é; certas coisas mechem comigo, e mudam meu humor de uma forma anormal, não adianta fingir ou disfarçar acabo ficando pensativa. As vezes uma unica frase muda meu dia, tanto pro lado negativo quanto pro positivo. Uma unica frase, que tenha saído da minha boca ou que tenha entrado em meus ouvidos. Algum gesto essas coisas...

Eu mais cedo estava lembrando de alguns amigos, amigos esses que outrora diziam não viver sem mim, amigos que estavam ali sempre comigo e eu com eles. Hoje em dia somos quase estranhos, e isso é esquisito se eu vê eles hoje na rua é bem capaz de senti aquela vergonha normal que se sente em puxar assunto com um estranho, pior a vergonha bem pior, porque não era estranho e se tornou. È a vida desse meu lugar....

Já tem aqueles que não importam as circunstancias e a distancia a frequência o compromisso, nada importa quando te vê parece que te viu ontem, por mais que já tenha passado anos, e é aquele mesmo sentimento bom...

Eu nunca entendi direito porque sempre a vida teve que me afastar das pessoas próximas de mim, nunca assimilei porque desde pequena meus grandes amigos se mudavam, trágico e triste para uma menina da 2ª série, mas nada que matasse ela.nocasoeu

Mas é estranho, eu fui criada ouvindo minha mãe lê contos pra mim, eu li muitos contos dos irmãos grimm quando mais nova e sempre ouvia dizer em coisas eternas, e de repente eu tive que aprender da maneira mais drástica possível, que a eternidade é limitada e tem fim. Aprendi a desacreditar nas coisas sutis e bobas que dão graça a vida, aprendi que não se pode se entregar ao outro de corpo e alma, nem JAMAIS entregar seu coração na mão de outra pessoa. essaparteeujaateescreviaquimascometiesseerropormaisdeumavez porque elas apertam e esmagam, mas eu aprendi sendo apertada e sentindo fortes dores. O pra sempre é só até quando os dois quiserem, se um ainda persisti o romance vira terror. Um jogo de horrores.

Talvez por isso eu não acredito em 1/3 dos "eu te amo" que escuto. Aprendi que quando você expõe seus sentimentos as pessoas fazem o que quer com eles. Inclusive brincam de gato e rato com você.

Outra coisa, outra parte diz e grita dentro de mim, para eu nunca generalizar que um dia eu vou acertar, porque só se pode achar o caminho certo depois que já errou, ou por muita sorte você vira e dá de cara com a estrada certa,mas isso é caso aparte, o lance é não desistir porque você querendo ou não uma hora a vida vai te brecar.


~E essa outra parte me faz desaprender tudo que aprendi.



quinta-feira, 8 de setembro de 2011

"I don't mind spending everyday out on your corner in the pouring rain "


25 minutos, ainda havia tempo, então pensou em aproveitar essa deixa e correr os dedos sobre o teclado e tentar apenas não tentar nada, apenas parar de pensar nas coisas ruins que aconteceram. O sorriso de outrora já sumiu, a vontade de viver até parece que nunca existiu e o mundo ficou pequeno para seus singelos 1,82cm. Mas ela ainda insisti em ser massa e ocupar algum lugar no espaço, por mais que não seja um lugar ao sul nem ao sol, nem tenha nenhum céu azul. Ela estava lá parada, deitada inerte pensando, pensando e pensando e algumas vezes cochilando, em sua mente a imagem de um carro com pneu furado ali sempre presente e ela se visualizando como o estepe desse carro, o quebra galho, aquela pessoa que não faz diferença e só sentem falta se outro alguém não marca presença. Essa era ela indo pelo caminho mais fácil o caminho dos covardes, fugindo sem direção sem saber porque, mas correndo, correndo mesmo inerte parada de olhos fechados e algumas vezes chegando perto do R.E.M, seus pensamentos não paravam 15 minutos ainda , e seus dedos acelerados, coisas talvez sem sentidos, mas necessário, necessidade de bota tudo para fora e tentar não correr mais, tanta coisa já a magoou e ela sempre se calou, agora mais que nunca parecia está perdida termina o texto se visualizando em uma selva onde tudo é preto e branco e só há cor nela, mas ela anda correndo e não tem nada atrás dela, ao mesmo tempo está vindo um furacão e ela tenta se proteger. ..
Uma vontade de fechar os olhos e nunca mais despertar a possui.